Na manhã dessa terça-feira, 12 de novembro, aconteceu o 2º Seminário Dia do Mercado Livre de Energia, no Auditório do Centro Empresarial Zanini, em Sertãozinho-SP. A CEISE Br e a UNICA reuniu comercializadoras, usinas e indústrias para um debate com especialistas sobre aspectos ligados à bioeletricidade sucroenergética e o mercado livre de energia elétrica no Brasil.

Abrindo o encontro, Juliano Merlotto, sócio-fundador da FG/A, apresentou ‘Cenários econômicos no Brasil’. Para ele, “se o momento da taxa de juros real perdurar e o investimento voltar – principalmente em infraestrutura, e mais as reformas que têm sido feitas, tanto no setor público, como tirando a burocracia e aumentando a produtividade no setor privado, o PIB potencial muda de patamar. O que me anima é esse índice poder subir”.

Já Andrew Frank Storfer, CEO da América Energia, abordou ‘Cenários para o mercado livre de energia elétrica’. De acordo com ele, “a geração eólica é a segunda mais vendedora nos leilões de Ambiente de Contratação Regulada (ACR), atrás da hidro. A estratégia foi que a fonte deixou, cada vez mais, certo volume para ser comercializado no mercado livre, vendendo, no leilão mais recente, aproximadamente 30% da sua garantia física”, explicou.

Carlos Ratto, presidente da Balcão Brasileiro de Comercialização de Energia (BBCE), tratou o tema ‘BBCE e o futuro das plataformas de negociação no mercado livre’. Segundo Ratto, “o mercado de energia hoje gira de 4 a 5 vezes o total do consumo, ou seja, há muito mais operações negociadas de energia do que de consumo. Isso significa que muitas operações só trocam de mão, em que se é negociado apenas o preço e não a mercadoria. Esses dois fatores, a existência de um giro e a alta volatilidade, levaram à criação de um mercado de derivativos para este tipo de produto, em que o preço deriva de um ativo, mas este ativo não é negociado e, sim, o valor”.

Sobre o Seminário
O Seminário Dia do Mercado Livre de Energia é uma iniciativa do Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis (CEISE Br), representado no evento pelo presidente Luis Carlos Junior Jorge, e da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), representada pelo gerente de bioeletricidade Zilmar de Souza. Ainda tem a parceria da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (ABINEE); da Associação Brasileira de Biogás (ABIOGÁS); da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (ABRACEEL), representada pela assessora técnica Yasmin Martins de Oliveira; e da Associação da Indústria de Cogeração de Energia (COGEN), representada pelo presidente Newton Duarte. Nessa segunda edição, o café de boas-vindas foi patrocinado pela América Energia.

Fonte: CEISEbr